sexta-feira, 2 de novembro de 2012




Se o mundo acabasse em dezembro de 2012, eu diria tudo bem.

Tenho a impressão que esse ano sentir tudo o que alguém demora uma vida inteira pra sentir.
Tive experiências que pessoas demoram mil anos pra ter... Tenho apenas 24 anos, mas conheço pessoas com 50 anos que não passaram por experiências como as minhas...

Senti  os extremos da alegria, da tristeza. Senti a alegria da conquista e a angustia da perda...
Passei pela alegria da conquista e pela tristeza da derrota

Fui gorda e fui magra...

Quis me casar, quis a liberdade de estar sozinha...

Quis companhia de outras pessoas, e hoje vejo que a solidão me ensinou a me amar mais e querer mais a minha própria companhia. 

Na solidão me apeguei a Deus. E ele me mostrou que não preciso de mais nada, a não ser sua presença.

Viajei, tive sensações inacreditáveis. 

Mudei de emprego, conheci as responsabilidades da minha escolha profissional.

Me afastei e me aproximei da minha família.

Perdi amigos... Conquistei outros...

O ano está no final... E tenho a impressão que finalmente a lagarta se transformou em borboleta.

Sinto que muita coisa perdeu a graça, me olho no espelho e não vejo mais a mesma pessoa, não gosto do que gostava, não aceito o que aceitava, não tolero desrespeito, não acredito em paixão, não mudo por quem não merece, não deixo que me digam que não sou capaz, não volto mais atrás no que digo, e só tomo decisões que partam da minha mente, não mais do coração.

Ainda acredito no amor. Mas apenas no amor que se pode provar, não no que se diz, apenas, o que se diz amar.

...Eu diria adeus a tudo... Não espero sentir mais nada de novo. Só quero paz daqui pra frente. Só paz e mais nada.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Enfermeira no Inferno


Vi esse texto no blog Enfermaria Insana, e achei  bem bacaninha.
Explica, com humor a rotina de uma enfermeira.


Um Enfermeira desceu aos portões do inferno e foi admitida...
Mal havia chegado, já estava insatisfeita com o baixo nível de higiene do inferno e logo começou a fazer projetos e várias ações para coibir aquele caos.
Começou a exercer boas práticas infernais, procedimentos padrões higiênicos infernais e implantou a APPCC (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle).
Pouco tempo depois, já não havia no inferno o insuportável fedor, ninguém melhor que ela sabia para planejar, orientar e supervisionar todo o processo de limpeza do local.
Criou várias planilhas de monitoramento, onde registrava e tratava as anomalias,corrigindo a ocorrência de possíveis indicadores indesejáveis e ninguém mais reclamava.
A enfermeira era um membro muito popular por lá, mesmo fazendo auditorias de auto-controle freqüentemente e glosando algumas práticas incorretas das pessoas.
Um dia, Deus chamou o diabo ao telefone e perguntou, ironicamente:
- E então, como estão as coisas aí embaixo?
E o diabo respondeu:
- Uma maravilha! Agora aqui todos se cuidam, andam limpos e quando estão com feridas causadas pelo fogo do inferno, procuram a enfermeira que conduz tratamento adequado, com toda assepsia e cuidados necessários para sararem bem depressa. Ainda administra os medicamentos nos horários e doses corretas, gerencia todos os serviços ligados a promoção da saúde, prevenção de doenças e manutenção de uma vida saudável e com isso, reduziu consideravelmente os custos que eu tinha pra tratar doenças de todos os tipos dos diabos por aqui, então hoje, as pessoas estão com mais saúde e mais felizes!
Do outro lado da linha, surpreso, Deus exclamou:
- O quê!?! Vocês têm uma ENFERMEEEEEEEEEEIRA aí no inferno?
Isso só pode ter sido um grande engano!
Enfermeiras já sofrem demais na terra, por colocar em prática todas as Portarias da ANS e ANVISA com suas nstruções normativas, decretos, ofício, memorandos, circulares e outras regras hospitalares. Ralam feito umas condenadas, dando vários banhos nos pacientes, administrando medicamentos em todas as vias, fazendo curativos infectados, limpando cocô, xixi, vômito, alimentando, carregando e transportando pacientes obesos, pra depois ficarem doentes da coluna, com varizes e com baixa resistência.
Saem cedinho de casa, enfrentam transito, saem de um plantão pra outro, de um hospital pra casa e ainda tem a família esperando em casa pra resolver os problemas, ensinar dever dos meninos, cuidar do marido e outras ainda estudam, fazem pós graduação, engravidam e portanto, tem a terceira jornada de trabalho e por conta disso, nunca poderão ir pro inferno!.
Mande-a subir aqui, imediatamente!
O diabo respondeu:
- Sem possibilidade! Eu gostei de ter uma enfermeira para cuidar de todos nós e continuarei mantendo-a aqui.
Deus, já mais irritado, fala em tom de ameaça:
- Mande-a AGORA para cá ou tomarei as MEDIDAS LEGAIS NECESSÁRIAS e mandarei instaurar um PAD (Processo Administrativo Disciplinar) contra você.
Eis que o diabo soltou uma gargalhada:
- Hahahaha...! E onde é que você vai arrumar UM ADVOGADO AÍ EM CIMA?!?!?!

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Aonde está seu foco?

Eu não quero  pilhas de dinheiro. 
Quero viajar, conhecer lugares, experimentar de tudo sem me preocupar com as contas.
Não preciso de um anel dourado como sinal de compromisso.
Preciso é de um amor louco, de uma boa pegada, de um perfume que grude em mim...de um coração palpitante.
Não preciso de um bom emprego
Preciso me sentir realizada no ambiente de trabalho, seja onde e como for.
Não quero um motorista particular. 
Quero alguém me esperando com um guarda-chuva e uma flor que encontrou no caminho, em frente ao meu trabalho.
Não quero uma festa de casamento luxuosa.
Quero um amor pra vida inteira, e que esse amor também me queira.

Porque hoje em dia, a gente luta tanto pra obter certas coisas, que durante a luta se esquece o motivo dela.
Perdemos o foco...
 Mas nunca é tarde pra recuperar.

As etapas do relacionamento

Do site http://youpix.com.br/

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Summer Soul Festival SP com Amy Winehouse. EU FUI!



O Summer Soul Festival, realizado no dia 15 de janeiro em São Paulo trouxe como estrela principal, a super diva Amy Winehouse.

Como fã de seu trabalho, e com um medo enorme de que acabassem os ingressos, consegui o meu na logo primeria semana de vendas.
Antes de se apresentar em São Paulo, Amy se apresentou em Florianópolis, Rio de Janeiro e Recife. Nos primeiros shows a cantora foi muito criticada e muito elogiada, porém, eu como fã de seu trabalho fui criticada até não aguentar mais por ter gasto meu dinheiro com um show como o dela. "Investimento de risco" alguns educados chamavam, enquanto outros diziam que era uma tremenda "burrice" mesmo. Tentei não levar isso pro lado pessoal e tentar enxergar como pura inveja mesmo... bola pra frente! Afinal, o fato de ela ter passado por fases ruins antes de decidir vir pro Brasil não me impediria de querer vê-la. Quem poderia me garantir que ela pretende voltar ao Brasil outra vez a não ser nesta ocasião? Não poderia perder essa chance. Arrisquei feliz!

No dia do Show, enfim, iludida achando que Amy Winehouse cantaria cedo, já que os portões abriram as 15hs e o show estava marcado para as 18 hs. Cheguei as 17 hs.

Quem abriu o Festival foi a dupla Miranda Kassin e André Frateschi. Cantaram super bem por cerca de uma hora. Em seguida o Instituto subiu ao palco com a participação de Thalma de Freitas que foi anunciada pelo rapper Kamau, se apresentaram por bastante tempo, perdi a noção do tempo, porque achei muito ruim a apresentação do Instituto, que cantou rap e outras músicas que estão longe de parecer com o estilo de música proposto para o festival. Eu bocejei e vi muita gente bocejando ao meu lado, torcendo para que acabasse logo.


Após essa apresentação super demorada, era hora de ouvir Mayer Hawthorne. Com sua voz delicada e com o seu bom humor, até soltou uma piadinha sobre o terem confundido com o "homem aranha" no aeroporto, arrancou risos e suspiros com suas músicas e com o seu jeito tímido de nerd, com direito a gravata borboleta e tudo mais. Adorei!



Em seguida, o que todos nós esperavamos que fosse só mais uma apresentação de Janelle Monae, ela aparece surpreendente do momento em que pisa no palco até o momento em que sai. Chegou arrazando, linda e espetacular. Ela tem uma tremenda presença de palco e a voz dela nunca se cansa, é impecável! Ela anda e corre pelo palco com uma capa preta, pula, rola no chão, se descabela, pinta um quadro e até faz moowalk! Não poderia ser melhor. Arrazou! Com certeza sairam desse festival milhares de novos fãs dessa diva do Soul. Inclusive, Eu.


A apresentação a seguir era da estrela principal: Amy Winehouse. Acho que 100% das pessoas que foram ao festival foram com intenção de vê-la principalmente, então a expectativa era grande.
Foram cerca oito horas de espera, entre a abertura dos portões até o momento em que ela se apresentaria, porém, com meia hora de atraso ela começa sua apresentação as 23:40.
Simplesmente entra cantando. Como primeira musica: "Just Friends", onde interrompe algumas vezes, acredito que por ter esquecido a letra. Entrou desanimada e cantou quatro músicas, as mais tristes possível, derramou algumas lágrimas entre uma e outra. Coçando o nariz e massageando o braço, todo mundo desconfiou de que ela estivesse drogada. O que não duvido muito.
Sua voz estava boa, porém fraca, o público e o vocal de apoio conseguiam cantar mais alto do que ela com o microfone na boca.
Saiu, deixou a banda sozinha, voltou com uma caneca, cantou, parou, apresentou os músicos, enrolou o máximo que pode, acredito eu que ela não estava afim de cantar des do início. Já faz muito tempo que vejo a Amy se apresentando através de vídeos e ela deixa extremamente transparente o quanto está cansada das próprias músicas. Canta fora do ritmo e nem sequer solta a voz. A apresentação durou pouco mais que uma hora no total. É claro que se contar o tempo em que ela estava cantando nem ao menos chega a uma hora.

Apesar de ver Amy Winehouse dando tão pouco de sí, fiquei feliz por ela ter cantado músicas que eu adoro, e de vê-la pessoalmente, apesar da distância. Sei que ela dá trabalho, e já não é a artista que costumava ser, mas adoro demais essa sem vergonha!

Teve pontos negativos sim, fui com expectativas demais pra um show em que eu já sabia, não seria nada além do que foram as outras apresentações dela pelo resto do Brasil. Apesar de ouvir dizer que a de São Paulo foi a melhor.

Gostei de vê-la cantar "Back to Black", "Valerie" e fechar o show com "Me and Mr Jones". Foi emocionante ouvir tais músicas ao vivo.

Mas pra ser sincera, o show da Janelle Monae, que eu nem conhecia, me surpreendeu muito mais.

Foi realmente, covardia, como descrito no G1.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Adeus & Olá






Depois de tanto procurar um lugar legal pras minhas fotos, passando pelo flogão, Vibeflog, Gigafoto e muitos outros dei uma pausa por um tempo no Fotolog. Fiquei lá Cerca de 4 anos. Mas já deu né? Perdeu a graça a muito tempo.

Agora, dando adeus ao Fotolog, estou postando minhas fotos aqui :  

http://particularemparticulas.blogspot.com/




Fiquem a vontade pra comentar e segujir.

Beijos!!

Cade a graça disso tudo?


Há alguns dias atrás, meu namorado e eu tentando corrigir um erro do meu computador, em meio à liga e desliga, coloca e tira de programas, a minha HD simplesmente parou de funcionar com TUDO o que eu tinha guardado desde que comprei meu computador, e isso já tem muito tempo.

Pensa só você perder todas as recordações que você juntou por tanto tempo, simplesmente ir pro lixo junto com uma HD queimada. De vídeos, músicas, fotos a versinhos a textos guardados e separados por data, tudo simplesmente desaparecer. Pois é, foi o que parecia ter acontecido. Enfim.
Meu computador voltou a funcionar, mas estava completamente NU.
Não tinha nada que eu pudesse reconhecê-lo como meu, além da carcaça.
Enquanto a HD foi pro conserto, fiquei aqui. Lembrei que tinha muita coisa minha espalhada pela internet, e que pelo menos algumas fotos eu conseguiria recuperar. E lá fui eu a buscar.
Primeiro entrei no Orkut, depois no Facebook, em seguida no Fotolog e no Picasa. Até aí tudo bem, a maioria das fotos mais importantes estão por aí. Não sei por que, mas nessa busca digitei meu nome no Google e eis que surgiram os defuntos esquecidos: Flogão, Vibeflog, Nafoto, Gigafoto, Sônico, Limão... E levei um susto com a empolgação que eu estava quando criei tudo isso. Realmente era até legal em meados de 2006, mas como tão rápido eu enjoei e me esqueci de tudo isso?

Daí a inspiração pra esse post:

Onde foi parar a graça disso tudo?

Há um tempo havia tanto a se fazer por aqui. Afinal...
Quem aí nunca ficou ansioso em chegar casa logo pra ver e responder os “scraps” no Orkut?
Quem nunca tirou uma foto com pessoas especiais pensando “Humm, essa vai pro meu álbum na internet”?
Quem não teve vontade de ter um espacinho na internet pra colocar recordações, fotos de momentos, pra se exibir um pouco, ou se auto afirmar? ( mesmo que a intenção inicial não tenha sido essa, ou você nem sabia que era essa)
Inocente ou não. Todo recém ‘Incluído digital’ chega empolgado nesse mundinho aqui. Mas como tudo que chega um dia vai embora, a empolgação também acaba.
Decidi então fazer uma lista de tudo o que um dia já curti muito, e que hoje assim como eu, muita gente já não vê tanta graça, ou nenhuma.


1 - Flogão : Quando passei a usar a internet com mais freqüência todos os meus amigos tinha um Flogão. Um site “Foto + Blog”, no qual é possível publicar fotos individualmente com legendas, e receber comentários sobre elas. Como surgiram concorrentes melhores, todo mundo decidiu sair fora (Pelo menos todos os meus amigos).



2 -Vibeflog/ Nafoto/ Gigafoto/ Fotoaki/ Space – MSN / etc.. - Os concorrentes do Flogão. Alguns vinculados a provedores como Uol, Terra, MSN não fizeram muito sucesso, pois se você não paga, ou desiste do provedor, logo, perde sua página. Conheci muita gente frustrada com isso.



3 -Fotolog – Sempre que alguém dizia ter uma página onde postava fotos, dizia “ah eu tenho um fotolog”. Mesmo sendo um Flogão da vida, Fotolog é o nome ideal para um Fotoblog, logo, fez um pouco mais de sucesso. Mesmo assim, que atire a primeira pedra quem não ficou PUTO com os comentários serem permitidos apenas por usuários. Esse foi um ENORME vacilo do Fotolog. Por causa disso quem postava todo dia, passou a postar cada vez menos, até uma hora cancelar ou abandonar a conta.



4 - Orkut- A rede social que mais faz sucesso no Brasil, pra mim é a maior decepção da internet.

Quanto mais reformam, pior fica. Se você quer encontrar: Baixo nível, infantilidade, joguinhos infantis, gente analfabeta, adolescentes coloridos, miguxos, photoshop até vomitar, crianças e velhos de todas as idades, gente com dor de cotovelo, gente com síndrome “Sua inveja faz a minha fama”, gente esquizofrênica e paranóica com perseguição, gente achando que todo mundo quer ser igual a ela, modelos não descobertas de todos os tipos/cores/pesos, gente que ama um scrap coletivo com desenhos irritantes, gente que tira foto até sentado na privada, gente nua, gente vestida, crianças que pensam ser adultos, adultos que pensam ser crianças, homossexuais, bissexuais, metrossexuais, curiosos, pedófilos e as vezes até heterossexuais. Esse é o lugar.
Não há NADA que você não encontre no Orkut hoje em dia.
Na verdade a única coisa que você não encontra no Orkut hoje é graça.
Com certeza, assim como eu, muita gente ainda não se desfez dele por algum motivo bem pessoal. Talvez algum depoimento importante, um recado, um contato, uma história que o envolva ou algo parecido. Por que definitivamente, se você tem mais que dois anos usando Orkut, sabe que ele não tem mais absolutamente nada de interessante. Ainda mais se essa mesma pessoa já tem Facebook. Não tem nem comparação.


5 - Limão, Sônico, UOLK- Outras redes sociais, imitações do Orkut.

Até entrei em algumas por curiosidade. Não me decepcionaram porque na verdade nunca fizeram sucesso.
Falando nisso, vocês tem alguma idéia de quantas Redes Sociais existem? Dá só uma olhada nessa lista, clicando aqui.


6 - MSN Messenger - Fiquei em dúvida em colocar esse na lista, mas pensando melhor, definitivamente não tem a mesma graça de antes. Se eu entro (Quando entro), passo a maior parte do tempo ausente ou ocupado pra selecionar as pessoas que eu quero conversr de verdade. Afinal quem é que aguenta, aquele contato que fala "Oi, e aí...", e se você não responde ele chama a sua atenção ou manda quinhentos e setenta e nove emoticons pra chamar sua atenção. Isso sem contar aqueles Nicks adolecentes cheio de cor e códigos, e frases de dor de cotovelo. Ah não! Não tenho mais paciência pra isso. Me chamem de velha, prefiro ser velha a ter que aturar isso.

Hoje em dia a comunicação está tão avançada, em meio a SMS, Twitter, E-mails, telefone, msn é puro luxo de gente desocupada.
A propósito, aquele "Space" do MSN é a coisa mais confusa que existe. É meio blog, meio Fotoblog, meio Twitter, meio Orkut, meio Youtube, e no fim não é nada.Tenho algumas fotos por lá também, mas estão com os dias contados.

Agora, fala sério. Se você tem mais de cinco anos usando a internet, em qual dessas paginas acima você ainda acha graça?



Enfim, minha HD foi salva por uma empresa especializada (que a propósito cobrou bem caro), e este susto me trouxe duas coisas boas:


1ª Lembrar de guardar tudo em Cd.
2ª Apagar os rastros da empolgação de tanto tempo atrás, dando adeus a um milhão de “Velharias virtuais” (Termo usado pela Sheila, que por pura coincidência também se desfez de bastante dessas coisas essa semana).


(Fiz esse post especialmente  pro Agite Antes de Usar.  Passa lá !)   =]

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Comerciais que valem a pena

Mais um post em homenagem aos comerciais simples e criativos, que eu ADORO ^^
Uma prova de que não é preciso uma mega produção para agradar os olhos do telespectador. 


Estes são videos recolhidos do Youtube, e tem muito mais de onde vieram , rs
Logo mais procuro outros ;)

Familia: Ser pai de Menina... (Sprite)

Humor: Queijo Panda(5 melhores)


Saúde: Lindo demais! (Sobre câncer infantil)


Segurança: Comercial para incentivo ao uso do cinto de segurança

Familia: Dia das mães




quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Love Felt : Fofurinhas em Feltro *.*

Olá, olá... Depois de taaaanto tempo, voltei para mostrar  um trabalho super fofo,  feito pela minha querida amiga Celina do blog Love Felt.
Trata-se de artesanato em feltro, conhecem?
Pois eu ja tinha visto mas não tinha achado interessante até ver pessoalmente como é bacana o trabalho dela.

Olha só esse trabalho feito por encomenda para minzinha, que a propósito ganhei do namoradão *.*   hehe.


E se liga só no meu chaveiro de mini banana, também feito pela Celina.  *.* Fofa né? rs...


Esse é um trabalho que dá pra criar milhões de coisas, se jogar no Google, vc fica maluco com as possibilidades.

Apesar de estar apenas começando, a Celina manda super bem, e trabalha com pequenas encomendas.
Passa lá no blog e confira ;)  http://lovefelt2010.blogspot.com/

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Dica para meninas: Esmaltes Santa Lolla

Meninas!

Vocês que curtem esmaltes com cores perfeitas para a estação, cá estou para lhes apresentar os esmaltes da  Santa Lolla. Perfeitos para destacar em qualquer situação (rimou?!  haha)

Ok, é sério, a Santa Lolla lançou nesta quarta-feira (27/10) uma linha perfeita de esmaltes,
e o melhor de tudo: é BRINDE!!!

Na compra de qualquer sapato da coleção de verão você ganha um esmalte e ainda pode escolher a cor que combine melhor com o seu sapatinho novo.( O que é até mais dificil do que escolher o sapato.. rs ).






A propósito, a Santa Lolla não trabalha só com sapatos de 200 reais tá?!

Essa coleção, em especial, veio com super sapatinhos a partir de 69,90 R$ ok?

Como, por exemplo, esses dois aqui:





lindinhos, né?

Ok, então fica a dica meninas...!!

Beijos!! Até breve!


Ahh!

E corram pra pegar os esmaltes galera, pq é a quantidade nas lojas é limitada ok?! Acabando, acabou! rs

sábado, 21 de agosto de 2010

Sessão "Recomendo" -> LIVROS.

Pra falar a verdade, só fui me interessar por livros depois de bem grande, mais especificamente depois de entrar pra faculdade a uns anos atrás.
No ultimo ano, em meio ao tcc, o trabalho e todo o meu cansaço, encontrei mais gosto pela coisa, e nas viagens de ônibus pra lá e pra cá, indo para estágios, trabalho e para casa em caminhos intermináveis enfrentando o transito e tudo mais, fiz viagens inesquecíveis por entre histórias e histórias mesmo quando parada no caos de São Paulo.

Entre os ultimos livros que lí, os três preferidos foram:

A Cabana

"Primeiro livro mais lido na lista do New York Times por semanas, “A Cabana” levanta questionamentos existenciais sobre a origem da maldade na presença de Deus. Se Deus é tão poderoso, por que não faz nada para amenizar nosso sofrimento?" Beatriz Monteiro 

Na minha opinião, este é um livro que deveria ser lido pelo máximo de pessoas possível, principalmente pra quem acha que ser crente é ir a igreja de terno ou saia cumprida e achar que só quem segue uma rotina religiosa é quem serve corretamente a Deus.
O Espírito de Deus habita dentro de nós e essa presença reflete em nossas boas ações, não em uma seqüência de rotinas ou doutrinas.
A Cabana conta uma história envolvente que nos leva a refletir sobre muitas de nossas ações e opiniões. ADOREI!




A cidade do sol

Uma história impressionante sobre duas mulheres afegãs que sofrem com a cultura rígida de seu país, além das guerras intermináveis.
Impossível descrever resumidamente a história. 
Achei chocante e emocionante.
Chorei, senti dó, senti raiva, e de vez enquando me pego pensando em como é possível pessoas viverem realmente sob esse tipo de situação.

Quem gostou do 'O caçador de pipas', gostará desse também.




Querido John


A história de um soldado americano dividido entre seu país e seu amor.
O livro é bem tocante, fala sobre a forma mais pura do amor, não só entre o casal, mas também entre a família.
Parece clichê, mas não é muito não... rs ( se é que existe "meio clichê")

Lindo, lindo!! Adorei...





...Por enquanto são esses, logo mais volto pra falar de outros,
Beijos !!! (Saudades disso aqui!!)

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Acontecendo...



Nunca tive a intenção de deixar esse blog muito pessoal, tipo, cheio de cotidianos meus, acontece que ando bem cansada pra opinar sobre assuntos, sejam eles quais forem. Mas pra tirar a poeira ( que nem um aspirador de pó da Brastemp daria conta), cá estou para justificar minha ausência.

Depois de quatro mêses desempregada e a procura de um trabalho na minha área de formação, fui obrigada a procurar uma porta de escape, já que não consegui absolutamente nada (...recém formado só se fode, né?). E com a urgência da situação corri pro shopping, não pra fazer compras, muitíssimo pelo contrário,  pra quem não sabe o shopping é provavelmente o lugar onde se encontra emprego mais rápido pra quem tem disposição, poucas opções e muita pressa, rs.
Por fim, após algumas entrevistas consegui um emprego.
Quando se trabalha num shopping você não ganha mal, mas deve estar ciente de que tem que ralar muito, até porque o melhor movimento no comércio acontece nos dias em que você preferiria estar dormindo ou fazendo qualquer outra coisa. Nos fins de semana, incluindo o domingão. 
Mas ta ok, agora vou poder pagar a minha pós- graduação, e me estabilizar. 
Deus sabe de todas as coisas, tudo ao seu tempo.


Nesse meio tempo nada de mais tem acontecido, meu namoro tem ido muito bem, engordei um pouco devido aos quatro meses de descanso, assisti milhares de séries ( ...falando nisso, odiei o final de Lost), uma reforma na minha casa começou e foi interrompida pelo mal tempo, me tornei uma viciada pelo sorvete da Yogoberry, cortei sete dedos de cabelo e pintei de "quase preto", ganhei uma câmera decente do meu namorado de aniversário , cochilei no banheiro do shopping e fui acordada por bombeiros (não me perguntem detalhes, rs), me arrependi de ter cortado o cabelo, fiquei sem dinheiro pro Mc. Donalds e descobri o sabor de uma marmita rs, enchi meu blog de poeira, penso todo dia que deveria me casar mas desisto quando lembro que isso envolve "rotina" e não saudade, enjoei do twitter, mal entro no orkut,  ainda não tirei nenhuma foto boa com a minha câmera nova, descobri que pessoas que pegam milhões de Dp na faculdade e colam em todas as provas podem conseguir um emprego primeiro que você, ainda sinto sono cedo mas prefito dormir mais tarde... E por aí vai... A vida continua...


Beijos a tooodos*



 

segunda-feira, 5 de julho de 2010

[...enquanto finjo, enquanto fujo.]

Não, não sou fã de Teatro Mágico, o excesso de rimas sempre me irritou um pouco, mas no meio de tanta rima acabei gostando de uma letra, que encontrei por acaso e sem querer me fez pensar sobre muita coisa que tem acontecido ( É sempre assim né? As vezes me identifico até com letra de pagode ¬¬' #oremos   rs)... Enfim, pra variar, vou postar pra tirar a poeira daqui...



Cuida de Mim
O Teatro Mágico
Composição: Fernando Anitelli

Pra falar verdade, às vezes minto
Tentando ser metade do inteiro que eu sinto
Pra dizer as vezes que às vezes não digo
Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo
Tanto faz não satisfaz o que preciso
Além do mais, quem busca nunca é indeciso
Eu busquei quem sou;
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.

Cuida de mim enquanto não esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto finjo, enquanto fujo.

Basta as penas que eu mesmo sinto de mim
Junto todas, crio asas, viro querubim
Sou da cor, do tom, sabor e som que quiser ouvir
Sou calor, clarão e escuridão que te faz dormir
Quero mais, quero a paz que me prometeu
Volto atrás, se voltar atrás assim como eu.

Busquei quem sou
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.

Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto fujo, enquanto finjo.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Sorry, I can't ..


Tem dias que dá preguiça mesmo de viver. A gente olha pra própria vidinha mais ou menos e se pergunta: o que, diabos, eu estou fazendo aqui? A resposta, a gente não consegue dar. Mas tem dias que simplesmente não dá. Não dá pra acreditar no futuro, no presente e desconfiamos até mesmo do passado. Tem horas que a gente parece estar no meio de um pesadelo (ou no meio de um sonho bom que nunca vai se realizar). Tem dias que não dá pra acreditar que a Xuxa usa hidratante Monange, que a Gisele Bündchen usa Pantene e que a Carolina Dieckmann tem dentes sensíveis. Chega uma hora que a realidade te espreme num canto, te dá um tapa na cara e te pergunta: o que é que você está fazendo aqui?


Não sei. Não sabemos. Procuramos pistas na ciência, na fé e na religião. Criamos Deus e deuses pra explicar o inexplicável. Buscamos pistas de que estamos no caminho certo ou, pelo menos, no melhor caminho. Acreditamos nos sinais, no destino e na contradição deles. Entendemos um pé-na-bunda como um sinal de que era pra ser assim. Entendemos um re-encontro como um plano traçado pelo destino. E assim vamos mexendo as peças de um jogo louco e sem explicação.


Aonde queremos chegar fazendo o que fazemos, sendo quem somos, acreditando no que acreditamos? E, afinal, quem somos? Em que acreditamos, se não acreditamos em nós mesmos? Desconstruímos sonhos ou os arremessamos ao acaso. Desacreditamos da sorte, do acaso ou do destino. Despedaçamos nossa auto-estima, nossa confiança na própria fé. Insultamos Deus e o diabo.


E assim, seguimos à própria sorte. Mandamos e desmandamos na nossa vida. A vida manda e desmanda na nossa sorte. Procuramos refúgio nos nossos vícios ocultos, ainda que esses vícios sejam academia e solidão. Fugimos do mundo pra fugir de nós mesmos. Fugimos de nós mesmos para fugir do mundo. Tem dias que simplesmente não dá. Não dá pra rir de piada sem graça, não dá pra agüentar a chatice alheia (já basta a nossa própria), não dá pra gostar de comer rúcula (quem inventou essa porra?). Chamem de TPM, de crise existencial ou o diabo. Tem dias que só uma enorme barra de chocolte com ovomaltine te entende. Desculpa, mas tem dias que não dá pra brincar de faz-de-conta. Não posso. Hoje, não.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Nós e nossos julgamentos


Analisando algumas experiências vivi por todos esses anos, me dei conta de como é nítidamente fácil julgar e ser julgado por alguém. Um grande exemplo brasileiro dessa facilidade é o conhecido fato de que não houve no Brasil inteiro alguém que não meteu o bedelho na decisão final no julgamento do casal Nardoni, mesmo não tendo nenhum vídeo ou testemunha da morte da pequena Isabela ou algum vínculo com a família, quem é que não quis mandar o casal Nardoni a merda mesmo sem provas concretas de que eram culpados? Não estou dizendo que sejam inocêntes nem estou do lado de ninguém, mas já pararam pra pensar no quanto julgamos as pessoas sem ter certeza dos fatos ou simplesmente sem nos colocarmos no lugar da mesma?

Infelizmente, aprendi logo cedo o desconforto de ser julgado sem a oportunidade de mostrar quem eu era de verdade. Além de passar grande parte da infância e adolescência sendo julgada por seguir uma religião, na juventude perdi "amigos" por não participar de certas atividades que não se encaixavam com minha maneira de pensar;
Na faculdade sofri com o julgamento de pessoas que não entendiam que eu, ao contrário de muitos que se diziam meus amigos, tinha que trabalhar e estudar, não entendiam que eu não podia passar a tarde toda na casa de alguém fazendo trabalho ou jogando conversa fora porque tinha que trabalhar;
Em um dos meus empregos era a novata mais odiada do chefe, pelo fato de quase nunca fazer horas extras porque precisava estudar, além de dormir  no máximo quatro horas por noite pra dar conta de estudo e trabalho;

É muito fácil, não é? Simplesmente dizer : "Ela não gosta de trabalhar" ao invés de se colocar no lugar da pessoa que mal dorme ao ter que dar conta de milhões de outras atividades.
É simples deixar de ser amigo de alguém porque esse alguém não tem tempo de ir a sua casa, ao invés de entender que essa pessoa talvez precise de compreensão ou uma simples visita sua.
É difícil de respeitar a religião de alguém? Entender que é um estilo de vida usar roupas comportadas e não sair pra beber cerveja e fumar maconha?

A questão é que não é difícil respeitar, o problema é que é muito mais fácil afirmar sua propria suposição, a própria teoria sobre as pessoas do que se dar ao trabalho de ser companheiro de verdade, ou melhor, ser humano de verdade e usar de compreensão pra entender cada um como ele é, e que lidamos com a vida de maneira individial. 
Julgar é tão fácil é que até uma criança consegue agir de tal modo.

Eu não sou perfeita, já julguei também, e descobri que para se livrar desse péssimo hábito é importante antes de atirar uma pedra em alguém, imaginar-se recebendo uma pedrada. Chama-se Empatia. Fazendo isso, acredite, se houver um pingo de caráter dentro de você, vai passar a querer mudar suas atitudes. 

Pratiquemos! 
Só Deus pode nos julgar.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Cabelo, cabelo meu...


Esse fiu queratinizado que nasce na cabeça não é fiu qualquer, ele representa muito, principalmente para as mulheres. O cabelo é considerado a moldura do rosto feminino e reprenta grande parte da beleza na aparência de alguém, por isso tanta preocupação em manter as madeixas bem cuidadas.

Dês de criança sou meio maluca por cabelo. Por algum motivo meu cabelo demorava muito pra crescer, a primeria vez que meti a tesoura nele já tinha dez anos de idade, e mesmo assim foi só pra fazer franja. Com essa idade meu cabelo era pouca coisa abaixo do ombro sem nunca ter cortado. Enquanto isso eu babava pelo cabelo da minha irmã mais velha que sempre foi abaixo da cintura. Cumprido e enrolado só nas pontas. Ah era meu sonho.
Na adolescência, depois de começar a aparar as pontinhas, o cabelo passou a crescer com um pouco mais de força  mas a essa altura eu já tinha desistido de ter cabelo cumprido. Passei a repicar e aos treze anos pintei de castanho escuro. Hoje não sei ao certo a cor natural do meu cabelo, mas lembro de ele ser meio castanho claro na infância.
Enfim, fiz luzes com dezesseis mas não achei que combinava com meu rosto, então cortei no ombro e pintei de castanho médio, fiz incontáveis progressivas apartir daí, fui do loiro ao preto, passando pelo ruivo, e agora voltei ao castanho... E única certaza que tenho é que enquanto tiver cabelo, continuarei mudando.


As primeiras vezes que pintei foram no salão mesmo, mas depois de fazer o  teste pintando em casa vi que estava jogando dinheiro fora com cabelereiro. A única cor que não dá pra arriscar em casa é o loiro, de resto é mais fácil. Eu gosto da Koleston, pega bem no meu cabelo e tem um creme de hidratação acompanhando que ajuda muuuito a manter o brilho no cabelo!
Os produtos de hidratação que recomendo são os shampoos e condicionadores da marca Lanza  ou da L'oreal, é um pouco caro, mas vale muito a pena. Quem não quiser gastar com shampoo profissional também recomendo a linha da Aqua Flora, o preço é bom e tem um cheirinho maravilhoso também. Os cremes de hidratação dessas marcas também são show!

Fica a dica, garotas.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Mais um selinho *.*

 Selo Drunk


A Indicação veio do blog  http://palavrinhasmarcelo.blogspot.com/

"O selo “Drunk” de originalidade é dedicado a todo blogueiro que não se preocupa com limites óbvios impostos pela pressão de seguir alguma “regra” dentro da blogosfera. Foi criado com fins de demonstrar respeito a todos aqueles que enriquecem e agregam a web o individualismo artístico de seu trabalho."

Outros blogs originais que merecem o selo:

http://papodemuie.blogspot.com/ 

http://www.phdemseilaoque.blogspot.com/

http://www.agiteantesdeusar2.blogspot.com/

http://julianatrinci.blogspot.com/

http://sheilaalmendros.blogspot.com/


http://www.wagnermartins.com/

That's all folks!








domingo, 16 de maio de 2010

O Contrário do Amor


O contrário de bonito é feio, de rico é pobre, de preto é branco, isso se aprende antes de entrar na escola. Se você fizer uma enquete entre as crianças, ouvirá também que o contrário do amor é o ódio. Elas estão erradas. Faça uma enquete entre adultos e descubra a resposta certa: o contrário do amor não é o ódio, é a indiferença.
O que seria preferível, que a pessoa que você ama passasse a lhe odiar, ou que lhe fosse totalmente indiferente? Que perdesse o sono imaginando maneiras de fazer você se dar mal ou que dormisse feito um anjo a noite inteira, esquecido por completo da sua existência? O ódio é também uma maneira de se estar com alguém. Já a indiferença não aceita declarações ou reclamações: seu nome não consta mais do cadastro.
Para odiar alguém, precisamos reconhecer que esse alguém existe e que nos provoca sensações, por piores que sejam. Para odiar alguém, precisamos de um coração, ainda que frio, e raciocínio, ainda que doente. Para odiar alguém gastamos energia, neurônios e tempo. Odiar nos dá fios brancos no cabelo, rugas pela face e angústia no peito. Para odiar, necessitamos do objeto do ódio, necessitamos dele nem que seja para dedicar-lhe nosso rancor, nossa ira, nossa pouca sabedoria para entendê-lo e pouco humor para aturá-lo. O ódio, se tivesse uma cor, seria vermelho, tal qual a cor do amor.
Já para sermos indiferentes a alguém, precisamos do quê? De coisa alguma. A pessoa em questão pode saltar de bung-jump, assistir aula de fraque, ganhar um Oscar ou uma prisão perpétua, estamos nem aí. Não julgamos seus atos, não observamos seus modos, não testemunhamos sua existência. Ela não nos exige olhos, boca, coração, cérebro: nosso corpo ignora sua presença, e muito menos se dá conta de sua ausência. Não temos o número do telefone das pessoas para quem não ligamos. A indiferença, se tivesse uma cor, seria cor da água, cor do ar, cor de nada.
Uma criança nunca experimentou essa sensação: Ou ela é muito amada, ou criticada pelo que apronta. Uma criança está sempre em uma das pontas da gangorra, adoração ou queixas, mas nunca é ignorada. Só bem mais tarde, quando necessitar de uma atenção que não seja materna ou paterna, é que descobrirá que o amor e o ódio habitam o mesmo universo, enquanto que a indiferença é um exílio no deserto.

Martha Medeiros

quinta-feira, 13 de maio de 2010

O seu muito ainda é meu pouco


Eu queria, de verdade, ouvir você dizendo que me quer pra sempre, que imagina seus filhos com meus olhos e quem sabe que planeja um futuro ao meu lado. Eu queria não precisar implorar por sua atenção, poder confiar em você com toda a minha alma sem me sentir mal com aqueles telefonemas no meio da noite que te fazem levantar da cama e me deixar sozinha, imaginando que eu esteja dormindo. 

Queria que o "Pra sempre juntos" não fosse um assunto temido, entre outros assuntos que vivem nesse enorme vácuo entre nós.

Eu queria, com toda a minha verdade, entender o porquê de tantos segredos.
Queria saber o que passa entre as memórias do seu computador que mal posso chegar perto. Nas mensagens do celular que você apaga antes que eu pense em querer ver.

Confesso, queria sim uma entrega maior da sua parte. Queria por um dia, apenas por um dia que fosse você pudesse me provar, não mais dizer, apenas provar o quanto me ama de verdade, demonstrar o quanto sou importante pra você.
Porque você diz. Sim, é o que você melhor sabe fazer, dizer e dizer...
Palavras e mais palavras, que tento, mas não entendo.

Queria me sentir única. Que você nem pensasse na possibilidade de escolher entre seus amigos e eu. Porque eu seria a escolhida sempre - O que sabemos que não acontece.

Gostaria de não precisar ter dúvidas quanto as suas escolhas como tenho o tempo todo.
Queria que você demonstrasse sentir-se mal ao perceber que o fim de está tão longe, que não agüenta esperar de tanta saudade.

Queria invadir seus pensamentos. Saber se você pensa em mim com a mesma intensidade em que penso em você... Ou se suas antigas amantes ainda te fazem delirar quando está sozinho. Porque embora eu nunca tenha dito, suas palavras não são, nem nunca foram suficientes. Pra mim sempre houve uma longa distância entre palavras e atos, e ao seu lado isso me parece bem mais perturbador. 

Muitas palavras, poucos gestos.

Você, sempre prezando pela sua particularidade, me manteve longe de sua verdade, da sua realidade.
Sem querer me causou um ciúme, daqueles que matam qualquer amor.
Você vem afastando sem perceber a garota que quis apenas um pouco mais de você, da sua transparência. A garota que pensa e sonha todas as noites com esse sentimento que perturba e consome o pouco que resta de sua paz. 
 Que passa horas escolhendo uma roupa só pra ficar ao seu lado em casa assistindo qualquer programa de TV.

Pode ser que meu ciúme seja exagerado e que esteja pedindo algo que talvez você jamais possa me dar.
Mas se este ciúme existe, nasceu com o descaso e ao valor que você não quis dar a uma pessoa que só fez te amar demais.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Quanto falta pra o futuro que sonhei?

Durante toda a graduação sonhamos com o dia em que conquistaremos enfim a tão sonhada realização profissional - O emprego certo na profissão que escolhemos com tanto carinho e cuidado.
A gente mal aproveita as amizadas da faculdade e aquela fase única querendo se dedicar aos estudos, sonhando com o futuro e esperando que tudo corra perfeitamente. Mesmo com tanta dedicação, no dia de pegar o canudo, junto da insegurança vem a pergunta ' Será que estou preparado?' A impressão que dá é que estamos tão vazios de conhecimento quanto quando começamos a estudar, e aí vem a resposta desesperadora 'Eu não to preparada!'.

O pior de tudo, não é a insegurança pós-graduação, o pior na verdade é a falta de oportunidade que grande parte dos recém formados sofre, e que só aumenta a insegurança que deveria ir embora com a chegada da primeira grande chance, onde nos lembraremos do porque escolhemos o que escolhemos, nos fazendo perceber enfim que estamos sim preparados.
É lamentável se dedicar tanto aos estudos e não conseguir emprego mesmo tendo se esforçado tanto. Insegurança todo mundo tem, já emprego, quem é que consegue hoje em dia?

Me formei em dezembro do ano passado e convivi com a minha insegurança durante todos esses quase seis meses, até conseguir a minha primeira entrevista.
O e-mail que me enviaram confirmando a data e o local surgiu em meio a muito desespero. Cansada é a palavra. Não aguentava mais esperar. Mesmo sem conseguir emprego, quase todos os recém formados que conheço fizeram várias entrevistas e eu aqui na mesma.

O emprego oferecido, embora fosse na minha área não era aquela coisa toda que eu esperava como primeira experiência. Na verdade era uma coisa totalmente inesperada "Monitoramento ao paciente por telefone". Isso mesmo, TELEMARKETING (Em uma definição menos assustadora, mas basicamente a mesma coisa), meu trauma (rs). Mas tudo bem dessa vez, pelomenos estaria na minha área, quem sabe aprenderia a gostar da coisa (ou não).

Apesar de ser a primeira entrevista depois de todos esses meses eu não estava nenhum pouco empolgada, nem ansiosa, nem afobada e nem nada disso. Mas tudo bem,  no grande dia acordei bem cedo, mesmo a entrevista sendo marcada pra o meio da tarde. Liguei o computador, conferi o email e o local agendado. Deveria estar ansiosa mas estava estranhamente tranquila, como se me sentisse confiante independente do resultado. O velho "O que tiver que ser será" rondava  minha cabeça a todo instante, provavelmente foi o que me manteve calma.

E lá vamos nós ao início da maratona de banho, roupa, cabelo e maquiagem...A única certaza que tinha era que sapato usar, de resto, decidi: "Seja o que Deus quiser". E foi!
Cheguei no local agendado com quase meia hora de antecedência, e uma das minhas concorrentes já estava lá. Nenhuma palavra até todas as outras candidatas chegarem e por fim a psicologa.
Lá vamos nós. Lembra que eu disse que estava calma? Pois é, no momento em que pisei meu sapatinho naquela sala com uma mesa redonda enorme no meio o nervosismo tomou conta de mim. Boca seca, tremedeira, suor e etc... "Meu Deus! Primeira entrevista!!! Esperei tanto por isso como eu pude estar tranquila até agora? Eu nem ensaiei nada pra falar! Que roupa é essa que eu vim?!" - Eu resmungando em pensamento.
Mesmo ouvindo a psicóloga dizer que o trabalho era de segunda à sábado das 13:00hs as 22:00hs e o salário era uma miséria, o nervosismo não passava. Ela pediu pra eu me apresentar e engasguei VERGONHOSAMENTE várias vezes. Sabe quando dá aquele branco no meio da frase? Tive várias crises esbranquiçadas enquanto me apresentava !! MICO!

É claro que depois disso eu não fiquei com a vaga (rs); Óbvio. Inclusive saí do prédio rindo de mim mesma. Dando graças a Deus por não conseguir aquele emprego.

Ok, eu estou desesperada por um emprego, isso é fato, mas o que seria de mim como profissional juntando a Enfermagem que foi a profissão que eu escolhi com tanto amor, a uma profissão que eu o-d-e-i-o ? Já pensaram no estrago? Eu não gosto nem de pensar.

Sei que como recém formada não tenho muito o que escolher, sem experiência na área ninguém te aceita (Péssimo admitir isso), mas até que ponto vale a pena se sacrificar? Será que todo o sacrificio que eu passei durante quatro anos pra poder enfim  pegar o meu diploma e dizer que sou graduada não conta em nada?

A quantos passos estamos nós, recém formados, de uma oportunidade decente?
Com toda a sinceridade, como brasileira, não gosto nem de pensar na resposta dessa pergunta.
Sério.

Vamos esperar dormindo, vamo?

Beijos FUI.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Trajetória

  
E é inútil procurar encurtar caminho e querer começar já sabendo que a voz diz pouco, já começando por ser despessoal. Pois existe a trajetória, e a trajetória não é apenas um modo de ir. A trajetória somos nós mesmos. Em matéria de viver, nunca se pode chegar antes. A via-crucis não é um descaminho, é a passagem única, não se chega senão através dela e com ela. A insistência é o nosso esforço, a desistência é o prêmio. A este só se chega quando se experimentou o poder de construir, e, apesar do gosto de poder, prefere-se a desistência. A desistência tem que ser uma escolha. Desistir é a escolha mais sagrada de uma vida. Desistir é o verdadeiro instante humano. E só esta, é a glória própria de minha condição. A desistência é uma revelação.
Clarice Lispector

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Selinho*

Pela primeira vez o De Plavras E Atos recebe um selo de reconhecimento de conteúdo.
Recebi a indicação do blog Coisas que eu sei; ( Obrigada Carlinha.)


O Que é Prêmio Dardos?

O Prêmio Dardos é um reconhecimento dos valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web.

 Após receber o selo deve-se seguir algumas regras:
- Exibir a imagem do selo no blog.
- Exibir o link do blog que você recebeu a indicação.
- Escolher 10, 15 ou 30 blogs para dar indicação, e avisá-los.

E as indicações são: